Convidados

Andries Coetzee

Andries Coetzee (PhD 2004, Universidade de Massachusetts) é professor de Linguística e diretor do Centro de Estudos Africanos da Universidade de Michigan. Também ocupa o cargo de professor extraordinário na Universidade North-West, na África do Sul. Sua pesquisa enfoca a fonética/fonologia e suas interfaces com a sociolinguística. Publicou em revistas como Language, Phonology, NLLT, Journal of Phonetics e Journal of the Acoustical Society of America. É membro da Sociedade Americana de Linguística e também editor-chefe da Language, o principal periódico da Sociedade Americana de Linguística.

Daniel Everett

Daniel Everett é Trustee Professor de ciências cognitivas na Universidade Bentley. Viveu na selva amazônica por quase oito anos nos últimos trinta anos, estudando mais de uma dúzia de pequenas línguas amazônicas, que foram pouco ou nunca estudadas antes. Publicou mais de 100 artigos científicos e catorze livros. Em 2008, seu livro Don’t sleep there are snakes: life and language in the Amazonian foi publicado em quase vinte línguas. Seu livro, Language: The Cultural Tool, foi publicado em 2012 e foi selecionado pelos editores do NY Times e do London Times como destaque. Seu livro mais recente, Dark Matter of the Mind: The Culturally Articulated Unconscious, foi publicado em 2017 pela University of Chicago Press. Um documentário sobre sua vida e obra, The Grammar of Happiness, foi lançado em 2012. Seu último livro foi publicado pela Liveright W.W. Norton, How Language Began: The Story of Humanity’s Greatest Invention.

Dermeval da Hora

Dermeval da Hora, professor Titular da Universidade Federal da Paraíba, tem Doutorado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Realizou estágio pós-doutoral na Vrije Universiteit – Holland. Foi Presidente da ABRALIN (2007-2009) e atualmente é Presidente da Associação de Linguística e Filologia da América Latina (ALFAL). Coordenou a Área de Linguística e Literatura da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) no período de 2011 a 2018. Desenvolve pesquisa na área de Sociolinguística com foco em aspectos fonológicos desde os anos 1980. Seu Projeto Variação Linguística no Estado da Paraíba – VALPB – na fase IV aborda questões que buscam interface entre variação, estilo, atitude, acomodação e percepção. Recentemente, organizou com Carmen Lúcia Matzenauer o livro Fonologia, fonologias: uma introdução, que conta com a participação dos principais fonólogos do Brasil. É um dos organizadores do Tomo Mudança Fônica do Português Brasileiro, que resulta de pesquisas sobre Fonologia Diacrônica no Projeto Para a História do Português Brasileiro – PHPB, coordenador por Ataliba Teixeira de Castilho.

Eni Orlandi

Eni Puccinelli Orlandi é doutora em Linguística pela Universidade de São Paulo e pela Universidade de Paris / Vincennes (1976). Trabalhou na USP de 1967 a 1979, lecionando Filologia Românica, Linguística, Sociolinguística e Análise do Discurso. De 1971 a 1974 ministrou a disciplina de Análise de Discurso no curso de especialização em tradução da PUC / Campinas. Trabalhou como professora no Departamento de Linguística da Unicamp de 1979 a 2002. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Estudos Urbanos da Unicamp, professora e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí e colaboradora da Universidade Estadual de Campinas.Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: análise do discurso, linguística, epistemologia da linguagem e jornalismo científico. É pesquisadora do CNPq.

Erez Levon

Erez Levon é professor de Sociolinguística na Universidade Queen Mary de Londres. Seu trabalho usa métodos quantitativos, qualitativos e experimentais para examinar padrões de variação socialmente significativos na linguagem. Em particular, investiga como as formas linguísticas são associadas a diferentes categorias de falantes, e como, por sua vez, os falantes usam essas associações em suas interações linguísticas cotidianas. Seu trabalho foi publicado em periódicos como Language in Society, Language Variation and Change, American Speech e Journal of Sociolinguistics. É autor de Language and the Politics of Sexuality (2010, Palgrave) e co-editor (com Ronald Beline Mendes) de Linguagem, Sexualidade e Poder (2016, OUP). Atualmente é editor associado do Journal of Sociolinguistics.

Geoff Pullum

Geoff Pullum é professor de linguística na Faculdade de Filosofia, Psicologia e Ciências da Linguagem da Universidade de Edimburgo. Trabalhou na University College London; na Universidade de Washington; na Universidade de Stanford; na Universidade de Harvard; e na Universidade da Califórnia, Santa Cruz. Publica e dá palestras sobre a gramática do inglês moderno. É co-autor (com Rodney Huddleston) de uma das maiores gramáticas de referência do inglês, The Cambridge Grammar of the English Language (2002), que ganhou, em 2004, o Leonard Bloomfield Book Award da Linguistic Society of America (LSA). É membro da British Academy, membro da LSA e membro da Academia Americana de Artes e Ciências.

Jean-Jacques Courtine

Jean-Jacques Courtine é professor Leverhulme Trust em 2018 no Departamento de História da Queen Mary, Universidade de Londres; ele também é Professor Emérito nas Universidades da Sorbonne Nouvelle (Paris III) e Califórnia (Santa Barbara), e Professor Honorário, Presidente de Estudos Europeus, da Universidade de Auckland (Nova Zelândia). Seus últimos trabalhos publicados incluem Historia da falà publica, com Carlos Piovezani, Vozes, 2015; História da Virilidade, com Alain Corbin e Georges Vigarello, Columbia University Press, 2016; História das emoções (desde a antiguidade até o século XXI), 3 vols., Com Alain Corbin e Georges Vigarello, Le Seuil, 2016-2017; Loucura em Paris, Jérôme Millon, 2018.

José Morais

José Morais é professor emérito da Universidade Livre de Bruxelas (ULB) e exerce sua atividade científica como professor convidado na Unidade de Pesquisa em Neurociência Cognitiva (UNESCOG) do Centro de Pesquisa em Cognição e Neurociências da ULB. Faz pesquisas sobre alfabetização, em particular sobre as diferenças entre alfabetizados e não alfabetizados, com o processamento de palavras escritas e faladas. É autor e co-autor de mais de 150 artigos científicos (Cognition, Journal of Experimental Psychology, Science, Nature Neuroscience), mais de 100 capítulos de livros e quase 10 livros. Foi homenageado, em 2000, com o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Lisboa e, em 2003, recebeu a Ordem do Infante D. Henrique. Na Bélgica, foi decano da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da ULB e, por muitos anos, presidente do Comitê Nacional de Psicologia da Royal Academy of Sciences.

Marcos Bagno

Marcos Bagno é professor da Universidade de Brasília e colaborador do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Federal Fluminense, além de pesquisador associado do Instituto de Língua Galega da Universidade de Santiago de Compostela. Realiza pesquisas no campo das políticas linguísticas, sociologia da linguagem e ensino da língua. Fez um extenso trabalho de divulgação científica, com ênfase em denunciar a discriminação social através da linguagem e o reconhecimento do português brasileiro como uma língua completa, com gramática própria e exclusiva. Em 2012 recebeu o Prêmio Jabuti por seu romance As Memórias de Eugênia. Publicou vários livros, alguns deles se tornaram muito populares: Preconceito linguístico (1999), Gramática pedagógica do português brasileiro (2012) e Dicionário crítico de sociolinguística (2017).

Maria Helena Mira Mateus

Maria Helena Mira Mateus é Professora Catedrática Jubilada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi fundadora e Presidente da Direção da Associação de Professores de Português, fundou e foi Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Linguística, dirigiu a Revista Internacional de Língua Portuguesa, foi Vice-Reitora da Universidade de Lisboa, criou o grupo português do Projeto de Tradução Automática da CEE, EUROTRA, que determinou o início de projetos de processamento informático da língua portuguesa, fundou e presidiu à Direção do Instituto de Linguística Teórica e Computacional. Desenvolveu investigação sobre Fonologia e Prosódia do Português. A par da investigação específica sobre a língua portuguesa, tem refletido e apresentado propostas sobre questões de política da língua. Escreveu numerosos artigos em revistas portuguesas e estrangeiras sobre as áreas da sua investigação e sobre questões de Linguística Geral, nomeadamente as respeitantes a uma Política de Língua, ao Caráter Científico da Linguística.

Noam Chomsky

Considerado o fundador da linguística moderna, Noam Chomsky é um dos estudiosos mais citados da história moderna. Entre seus livros inovadores estão “Syntactic Structures”, “Language and Mind,” “Aspects of the Theory of Syntax,” e “The Minimalist Program,”, cada um dos quais fez contribuições fundamentais para o desenvolvimento do campo. Ele recebeu inúmeros prêmios internacionais. Chomsky não apenas transformou a área da linguística; seu trabalho influenciou áreas como a ciência cognitiva, a filosofia, a psicologia, a ciência da computação, a matemática, a educação infantil e a antropologia. Chomsky é também um dos intelectuais públicos mais influentes do mundo. É autor de mais de 100 livros. Ele ingressou na University of Arizona em 2017, vindo do Massachusetts Institute of Technology, onde trabalhou desde 1955, primeiro como professor de linguística e depois como professor emérito de linguística.

Oliver Niebuhr

Oliver Niebuhr é chefe do Innovation Research Cluster Alsion e Professor Associado de Comunicação e Inovação no Instituto Mads Clausen da Universidade do Southern Denmark. Seus principais interesses de pesquisa incluem construções prosódicas, redução de fala e suas funções comunicativas; também se interessa pela interação homem-máquina, tecnologia persuasiva e fala em contextos empresariais ou de empreendedorismo. Em 2017, fundou a empresa de consultoria em voz e tecnologia de fala Saphire Solutions, juntamente com Jan Michalsky, da Universidade de Oldenburg.

Roland Pfau

Roland Pfau interessou-se pela linguística das línguas de sinais enquanto fazia o seu doutoramento na Universidade de Frankfurt. Logo após concluir sua tese (que investiga as propriedades gramaticais dos lapsos de língua) em 2001, aceitou um cargo na Universidade de Amsterdã, onde agora é professor associado no programa de linguística de línguas sinais. Sua pesquisa se concentra na sintaxe e morfossintaxe das línguas de sinais (por exemplo: a negação, a concordância, o os classificadores), tipologia das línguas de sinais e gramaticalização. Atualmente, está envolvido em um projeto (financiado pela Dutch Science Foundation) sobre a estrutura de argumentos em três línguas de sinais, bem como um projeto europeu sobre gramáticas descritivas de línguas de sinais, avaliação e herança cultural de de surdos idosos. Juntamente com Josep Quer, é o editor da Sign Language & Linguistics.

Tom Roeper

Tom Roeper trabalhou durante quarenta anos no desenvolvimento de uma teoria da aquisição da linguagem baseada na teoria gerativa, bem como na teoria da morfologia derivacional (argumentos implícitos, nominalizações e controle). Ele realizou experimentos na maioria dos elementos da sintaxe complexa, incluindo o movimento-wh, a quantificação, a elevação, a voz passiva e a pressuposição. Através de seu trabalho experimental, ele desenvolveu uma teoria de múltiplas gramáticas e interfaces estritas para capturar o caminho de aquisição. Ele também escreveu um livro popular, The Prism of Grammar (MIT Press), bem como co-editou dois livros sobre recursividade, sendo o mais recente Recursion across Domains and Latitudes  (Cambridge Univesristy Press), que traz desde insights de experimentos de aquisição até estudos de campo acerca de línguas brasileiras. Ele já deu palestras como convidado em 15 países, colabora com pesquisadores em vários países e tem sempre projetos por fundos de fomento variados.

Willem Adelaar

Willem Adelaar é professor emérito de línguas e culturas ameríndias na Universidade de Leiden, na Holanda. Realizou uma extensa pesquisa de campo sobre diferentes variedades de Quíchua e sobre outras línguas dos Andes. Também trabalhou nas relações genéticas das línguas sul-americanas dos Andes e da região amazônica e esteve envolvido em atividades internacionais que abordam a questão do comprometimento da linguagem. Suas outras áreas de especialização abrangem a tipologia linguística, linguística de contato e areal, literatura oral e história cultural dos povos nativos americanos e a interface de estudos linguísticos com pesquisa arqueológica e histórica, em particular, as relações pré-contato entre a Mesoamérica e os Andes. Suas publicações incluem Tarma Quechua (1977) e o compêndio The Languages of the Andes (2004), do qual ele é o principal autor.

Xinchun Wang

Xinchun Wang é professora de linguística na Universidade Estadual da Califórnia, em Fresno, nos Estados Unidos da América. Concluiu seu doutorado em linguística aplicada pela Universidade Simon Fraser no Canadá. Seu foco principal de pesquisa é na área de fonética aplicada e aprendizagem de fala em L2. Alguns de seus projetos de pesquisa anteriores incluem percepção e produção de fala interlinguística, o impacto da duração da residência no grau de percepção de sotaque estrangeiro e o treinamento fonético para aprender vogais em L2 e tons lexicais em Mandarim.