EVENTOS

A Associação Brasileira de Linguística está promovendo uma série de atividades na  71.ª Reunião Anual da SBPC, que acontecerá no período de 21 a 27 de Julho na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, em Campo Grande | MS:

Kanhgág vĩ mré ẽg jykre pẽ jagfe
Ninho de língua e cultura Kaingang

Conferência na 71.ª Reunião Anual da SBPC
Márcia Kaingang
Dia/Hora: 23/7/2019 às 10h30

Local: FAED – Bloco 08 – Sl. 108

Gramática Universal e Línguas Indígenas
Minicurso na 71.ª Reunião Anual da SBPC
Marcus Maia (UFRJ) & Bruna Franchetto (UFRJ)
Dia/Hora: 22/7/2019 a 25/7/2019 – das 08h00 às 10h00

Local: FAED – Bloco 08 – Sl. 001 (Piso inferior)

A ONU declarou o ano de 2019 como the international year of the indigenous languages, com o objetivo de desenvolver entre os cidadãos de todos os países a consciência sobre a importância dessas línguas, quase todas ameaçadas de desaparecimento. O desconhecimento quase total sobre a natureza e as propriedades das línguas indígenas é, sem dúvida, um dos fatores que contribuem para a formação de opiniões equivocadas e preconceituosas. O programa de pesquisa sobre a Gramática Universal desenvolvido sob a égide da Teoria Gerativa chomskyana tem revolucionado nos meios científicos as concepções sobre as propriedades das línguas humanas que passam a ser entendidas como produtos da faculdade mental da linguagem, sendo, portanto, todas as línguas regidas pelos mesmos princípios universais. Nesse sentido, não há línguas primitivas, inferiores. Todas as línguas são altamente complexas, articuladas, recursivas, bem formadas, lógicas, permitindo a organização mental e a expressão plena das ideias de seus falantes. Essas importantes descobertas da Linguística Gerativa, no entanto, assim como as línguas indígenas, são amplamente desconhecidas do grande público

O curso Gramática Universal e Línguas Indígenas pretende apresentar em linguagem clara e objetiva aspectos selecionados da gramática de três línguas, cada uma filiada a uma de três famílias linguísticas do Brasil, a saber, Guarani Mbya (Tupi-Guarani), Karajá (Macro-Jê), Kuikuro (Carib). Os dados linguísticos serão apresentados tomando como referência princípios universais da Gramática, conforme estabelecidos por Noam Chomsky e outros linguistas, no âmbito da Teoria da Gramática Gerativa.

Texto, cognição e conhecimento: recursos teóricos e práticos para análise de construção de referências linguísticas
Minicurso na 71.ª Reunião Anual da SBPC
Erik Miletta (UFRN)
Dia/Hora: 22/7/2019 a 25/7/2019 – das 08h00 às 10h00
Local: Multiuso 1 – Bloco 15 – Sl. 012Ementa:
O problema da referência linguística, isto é, da forma como damos a conhecer mundo através da linguagem verbal, obteve, ao longo da história, soluções variadas. Embora muitas possam ser consideradas já insatisfatórias, persiste a percepção hegemônica de que há uma relação direta entre as palavras e as coisas, tanto no universo acadêmico quanto no senso comum. Neste curso, oferece-se uma perspectiva sociocognitiva para a questão, segundo a qual entre as palavras e as coisas estão as práticas sociais, por meio de 2 aulas teóricas e 2 aulas de análise de construção referencial em textos.

Conteúdo das aulas:
I – Exposição: a centralidade da referência nas relações entre língua, texto e conhecimento.
II – Exposição: a construção socio-cultural da cognição humana segundo Michael Tomasello
III – Análise de construção referencial: definição de modelos de análise e exemplificação.
IV – Prática de análise de construção referencial.Público-alvo: Graduandos e Pós-Graduandos (Letras, Filosofia, Ciências Humanas e Sociais) e demais interessados na proposta.